Tempo: Ignorâncias e Devaneios
   José Orlando  Silva  │     1 de junho de 2017   │     21:33  │  7

Sinceramente me incomodo quando se atribui ao tempo um protagonismo que modifica nossa vida. Quem já não ouviu que o tempo é o Senhor da razão, ou que ele (o tempo), elucida e cura tudo? Existem alguns provérbios que merecem reflexão e constatação, como por exemplo: “O dinheiro não traz felicidade”. Alguém desencantou essa declaração com outra: “Então me dê o seu”. Talvez por isso Benjamim Franklin, político, inventor e filósofo da independência americana, foi reconhecido como autor da afirmação na frase inglesa time is money (“tempo é dinheiro”). Conta-se, inclusive, uma anedota que um homem chegou a livraria de Franklin para comprar determinado livro, ao pergunta-lhe o preço, ele respondeu que era um dólar, o homem achou o livro caro e começou a gastar o tempo de Franklin. Ao perguntar novamente o valor, Franklin aumentou o preço e justificou que o tempo que o homem estava desperdiçando, ele estaria cobrando. Daí a frase estabelecida: “Tempo é dinheiro”

A grande questão é que, atribuímos a um mero período o que as circunstâncias e pessoas realizam. As pessoas são os verdadeiros atores da metamorfose da vida. Quando afirmamos por exemplo que o tempo muda as pessoas, não seriam as circunstâncias que o tempo traz? E ainda, diante dessas circunstâncias, não seria a reação das pessoas que transformam elas mesmas e o seu ambiente ao redor? O valor do tempo é percebido pela plataforma que ele se torna para o homem, que reage frente às circunstâncias. Cabe a cada um de nós estarmos preparados, para o que as entrelinhas da vida constantemente nos reserva, no neutro e imparcial tempo. Portanto, não atribua ao tempo, o que você escolhe fazer e ser todos os dias, simplesmente mude sua reação, frente as circunstâncias que o tempo traz.

>Link  

COMENTÁRIOS
7

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Dorothy

    Realmente você é um grande pensador. (“Quando afirmamos por exemplo que o tempo muda as pessoas, não seriam as circunstâncias que o tempo traz? E ainda, diante dessas circunstâncias, não seria a reação das pessoas que transformam elas mesmas e o seu ambiente ao redor?”) Concordo com você.

    Reply
  2. Sérgio ARCANJO da Hora

    Admiro a sua maneira de trazer a superfície, o erro que não mais se percebe! Com certeza, o tempo não representa o homem. O homem representa-se no tempo, na construção de si mesmo e no entendimento do outro. Obrigado, Pastor!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *